segunda-feira, 7 de maio de 2012

FUTEBOL X ESPORTE NÃO – PROFISSIONAL


                                       FUTEBOL X ESPORTE NÃO – PROFISSIONAL             

            Na quinta-feira dia 03 de maio assisti da primeira fila no palácio do setentrião a louvável iniciativa do Governador Camilo Capiberibe em assinar convênios para apoiar o Futebol Amapaense e as federações de esportes não – profissional (antiga denominação : esporte amador). Louvável porque o esporte amapaense vive há muito tempo à míngua, com o pires na mão sempre. Diariamente vemos nos programas esportivos atletas, técnicos e treinadores implorando por passagens, hospedagem e alimentação para participarem de eventos nacionais. Um grande avanço foi conquistado em termo de valores, os esportes não-profissionais saíram de R$ 150.000,00 em 2011 para R$ 400.000,00 este ano.

            Minha inquietude é com referência à distribuição: R$ 600.000,00(em 03 parcelas). somente para o futebol profissional e R$ 400.000,00(em 08 parcelas). para todas as demais federações esportivas (23 filiadas ao conselho). Trabalhar com o esporte no país do futebol é complicado mesmo. Sou torcedor da orca demolidora do Santa Rita e gostaria muito de ver um time amapaense na série C do brasileiro. Presenciei no estádio Glicério Marques partidas do Campeonato Amapaense (Amapazão) com times de elenco 100% contratado fora. Pergunto: Onde estão os resultados trazidos do futebol profissional amapaense? Caio Lobato do Tênis de Mesa está aí com suas medalhas em brasileiros, olimpíadas escolares, etc... A natação, Ciclismo, Tae-Kwon-do, Atletismo, Boxe e o meu Judô com seus campeões Pan-americanos, Sul-americanos, Brasileiros, impondo respeito Brasil e mundo afora.

            Somente no Campeonato Brasileiro região I (AP, CE, MA, PA e PI) deste ano realizado em Ananindeua-PA no mês de abril o Amapá foi aclamado 68 vezes durante a premiação, a canção do Amapá seria tocada 16 vezes (números de ouros conquistados).
            Investir no Futebol com essa disparidade me parece uma verdadeira furada pro Governo. Ainda virá um investimento para apoiar o representante do Amapá na série D (Santos). Um exemplo negativo foi uma das piores apresentações do futebol amapaense na primeira fase da Copa do Brasil, o Trem foi goleado, dentro de casa, pelo ABC de Natal. Mesmo o favoritismo sendo da equipe potiguar, ninguém esperava tal resultado. Sem encontrar dificuldades a equipe do RN marcou cinco vezes, isso mesmo 5X0!.

            Fica uma dica: Acredito que com um projeto bem elaborado junto ao Ministério do Esporte esse R$ 1.000.000,00 serviria de contrapartida para beneficiar 10 vezes mais.

            Aplaudimos a louvável iniciativa do governo estadual, mas o Futebol Amapaense precisa realmente se profissionalizar para poder receber recursos e mostrar resultados concretos dentro das quatro linhas e com atletas da casa.

Alguns números do Judô:
Regional 2012 (100 atletas, 02 árbitros e 04 técnicos) – Média de Valor total gasto: R$ 72.000,00
05 campeonatos brasileiros – 80 atletas – Média de valor total a ser gasto: R$ 182.000,00
02 Treinamentos de Campo (CE e MG) – 20 atletas – Média de valor total a ser gasto: R$ 30.000,00
21 eventos estaduais em 2012 – mais de 1.500 atletas – Média de valor total a ser gasto – R$ 55.293,00
Total: R$ 339.293,00
Convênio FAJ/SEDEL – R$ 17.000,00
Convênio com o conselho das federações – R$ 400.000,00/23=R$17.392,00
Total a ser captado com amigos do judô, pais, atletas, técnicos....: R$ 304.901,00

Antonio Jovenildo da Silva Viana
Educador Físico
Dirigente
Técnico
Atleta