domingo, 21 de fevereiro de 2016

Dirigentes e atletas de judô aderem às rifas

Dirigentes e atletas de judô aderem às rifas para conseguirem apoio e irem a São Luís – MA disputar o Campeonato Brasileiro Região norte (AP, CE, MA, PA e PI).
Sem vislumbrarem chances de patrocínio, dirigentes e judocas montam rifas para vender e conseguir or recursos para passagens, inscrições, hospedagem e alimentação. Dois clubes saem na frente e já estão nas ruas e redes sociais vendendo rifas ao valor de R$ 5,00 (cinco reais) com prêmios em dinheiro e judogui (uniforme de Judô).
Desde quando a transformação do território federal em estado que foi decidida pela Assembleia Nacional Constituinte em 1988, e em 1º de janeiro de 1991 foi instalado o estado do Amapá, com a posse dos 24 membros da primeira Assembleia Legislativa nunca se teve uma política pública voltada ao esporte.
Existem já leis que precisam ser regulamentadas para que os gestores esportivos possam elaborar projetos e irem com a certeza do apoio, pois o retorno será garantido via incentivo fiscal e retorno de mídia espontânea.
Cito aqui três leis: Lei n. 1.599 de 28 de dezembro de 2011 de autoria da deputada Roseli Matos que dispõe sobre utilização de passagens e prêmios de milhagens aéreas advindas de recursos públicos do estado do Amapá, Lei n. 1139 de 14 de novembro de 2007 de autoria do deputado Moisés Souza que autoriza o poder executivo a criar o programa bolsa esporte, sancionada pelo governador Waldez Góes e a Lei n. 0052/2015 de autoria do deputado Jaime Peres que Dispõe sobre incentivo fiscal para realização de projetos esportivos não profissionais no âmbito do Estado do Amapá.
Acompanho o trabalho incansável do atual secretário de esportes Ednoelson Trindade, o careca para que essas leis sejam aplicadas, tenho esperança que consiga, pois será a redenção do esporte amapaense e o mesmo entrará para a história.

Somos vítimas também do não cumprimento de uma lei antiga:
“Referente ao Projeto de Lei nº 0165/99-AL
LEI Nº 0567, DE 23 DE MAIO DE 2000
Publicada no Diário Oficial do Estado n.º 2306, de 29.05.00  
Autoriza o Governo do Estado a instituir ajuda a todas as categorias do esporte amador no Estado do Amapá.          
PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO  ESTADO  DO  AMAPÁ, 
Faço saber que a  Assembléia Legislativa do Estado do Amapá decreta  e eu, nos termos do § 8º do Art. 107 da Constituição Estadual e alínea “j” do inciso II do Art. 19 do Regimento Interno da Assembléia Legislativa, promulgo a seguinte Lei: 
Art. 1º - Fica o Governo do Estado do Amapá autorizado a instituir o custeio à Federação de Esporte Amador, na forma que o Poder Executivo dispuser,  conforme o inciso I e II do artigo 298 da Constituição do Estado do Amapá.  
Art. 2º - O custeio servirá para contribuir com as delegações de todas as modalidades esportivas amadoras com passagem e hospedagem dos atletas quando as mesmas estiverem representando o Estado do Amapá em outras federações.  
Parágrafo único - A Federação de Esporte Amador terá direito a estes benefícios oriundos do Governo do Estado, se estiverem em dias com as suas contribuições fiscais e devidamente cadastrada nos órgãos competentes.
Art. 3º - O Poder Executivo regulamentará esta Lei no prazo de 90 (noventa) dias da sua entrada em vigor.  
Art. 4º - Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas  as disposições em contrário.   
Macapá - AP, 23 de maio de 2000.  
Deputado FRAN JÚNIOR 
Presidente”         

“CRISE X PATROCINIO PARA ATLETAS
Convivo com o Judô a mais de 18 anos. Por um período significativo estive na condição de familiar de atleta, hoje estou na condição de dirigente de clube. Seja qual for o lado que estejamos, quando se trata de Patrocínio para Atletas as respostas são sempre as mesmas. DESCULPE! NÃO TEMOS COMO AJUDAR! Recentemente, os potenciais patrocinadores no Estado do Amapá, ganharam um aliado. “A Crise”.
Nos últimos três anos fizemos ofícios às empresas de renomes no Estado solicitando patrocínio para atletas. Não fomos felizes em nossas solicitações, nossa pouca ajuda, vieram de amigos próximos, promoções e de familiares de atletas, que na maioria das vezes, acabaram custeando todas as despesas de seus filhos.
Parece fácil conseguir patrocínio para atletas, afinal, as empresas teriam isenção em seu imposto de renda, mas é muito difícil! Sabemos que a falta de politicas publicas para o Esporte no Amapá é o maior empecilho para o desenvolvimento do Judô. Então recorremos a políticos, empresários com pretensões politicas e demais seguimentos do comércio local, que estão arramados com a crise, que é claro, não se viu no carnaval.
Entre as dificuldades para conseguir patrocínio esta a cultura local, os empresário que não vislumbram as possibilidades que o Judô pode trazer para a divulgação de suas marcas, os governantes e legisladores que não promovem politicas publicas e a vergonha e humilhação que passamos ao bater de porta em porta na tentativa de conseguimos patrocínio para nossos atletas.
Marisa Bruno, Dirigente da SAM Judô Clube”

O Campeonato Brasileiro Região Norte serve para que os atletas possam garantir vagas para o Amapá nos demais 05 campeonatos brasileiros fase final. Cada estado poderá levar 100 representantes nas 05 classes em disputa.
Quem quiser adquirir as rifas e concorrer aos prêmios poderá entrar em contato com os fones 99125-6657 (AIFA) e 98127-0197(SAM).

Antonio Jovenildo S. Viana
Presidente – FAJ
Licenciatura em Ed. Física
Especialista em Esporte de Alto Rendimento – ABT